sábado, 29 de novembro de 2008

As meninas e o amor

  • Parte I
Tenho uma amiga que numa viagem há um ano atrás a uma capital europeia, comprou um postal lindíssimo. Esse postal, decidiu, seria para oferecer ao homem da vida dela.
Esse homem seria aquele que mais felicidade lhe trouxesse, mais alegrias, mais risos, mais sonhos acordados, mais sorrisos, mais projetos em comum, mais vida.
Há uns dias atrás, a minha amiga encontrou esse postal perdido no fundo de um armário.
Então ela percebeu que era lá que estava o seu amor. No fundo de um armário, perdido no fundo da cabeça dela. Ela tinha esquecido o amor. Tinha até esquecido que aquele postal já tem um dono, e que é o dever dela restituí-lo.
  • Parte II
Nos últimos dias tenho contado às minhas amigas o quanto preciso do amor de uma mulher amada. Digo-o na esperança de ganhar um beijinho, mas não. Pelo contrário, todas me respondem o que começo a desconfiar ser um código de uma seita feminina qualquer. Sem excepção, todas (até a minha mãe [!!]) responderam aos meus lamentos com Vais encontrar o amor quando menos esperares.
Considero que as mulheres, como um oráculo, têm resposta a todas as questões da vida. Só temos de saber interpretá-las. Inicialmente levei este ensinamento a sério. Não esperei nada. Como quem tem uma dor, tentei não pensar nela (nela dor, ou nela mulher da minha vida, não sei já que não pensei nisso). Tive fé que o amor viria e, sem ânsias, não o esperei. Desconfio que no dia em que me veio bater à porta eu não estivesse em casa.
Foi o mesmo que aconteceu à minha amiga e ao seu postal. O amor não se cruzou conosco.
Assim, enquanto lambia as minhas feridas, pensei melhor. Algo escapava. E foi aí que percebi o ensinamento oculto, que afinal sempre tinha estado lá perante os meus olhos mas que eu não vira. Quando menos esperares dizem elas. Qual é o contrário de esperar? É ir à procura.
Então o ensinamento que eu pensava que me dizia para estar desatentamente à espera de nada, como para passear descansadamente pela minha vida que o amor dobraria a minha esquina, afinal não. Afinal diz para eu esperar o menos possível. Para eu não esperar.
Foram estas duas histórias que me levaram a mudar o rumo da minha vida.
Obrigado bravas meninas.

6 comentários:

Aurora disse...

L'amour est un oiseau rebelle
Que nul ne peut apprivoiser
Et c'est bien en vain qu'on l'appelle
C'est lui qu'on vient de nous refuser

L'oiseau que tu croyais surprendre
Battit de l'aile et s'envola
L'amour est loin, tu peux l'attendre
Tu ne l'attends plus, il est là

Tout autour de toi, vite, vite
Il vient, s'en va puis il revient
Tu crois le tenir, il t'évite
Tu crois l'éviter, il te tient

-o amor é um pássaro rebelde
que ninguém pode aprisionar
e não vale a pena chamá-lo
se ele se recusar a vir

o pássaro que pensavas ter apanhado
abre as asas e voa
o amor está longe, podes esperá-lo
não o esperes mais e ei-lo aí

à tua volta, rápido rápido
ele vem, vai-se e depois volta
crês tê-lo, ele evita-te
crês evitá-lo, ele tem-te-

canta a cigana carmen na sua ópera

Aurora disse...

e por outro lado, a bjork canta

You'll be given love
You'll be taken care of
You'll be given love
You have to trust it

Maybe not from the sources
You have poured yours
Maybe not from the directions
You are staring at

Twist your head around
It's all around you
All is full of love
All around you

All is full of love
You just ain't receiving
All is full of love
Your phone is off the hook
All is full of love
Your doors are all shut
All is full of love!

All is full of love
All is full of love
All is full of love
All is full of love
All is full of love

Aurora disse...

enganei-me ali atrás
ó último verso da primeira estrofe é
"si lui convient de refuser"

O Homem Terra disse...

:)

É verdade o que elas dizem.
O amor está em todo o lado.
Parece que não há nada que exista no mundo que não seja resultado de um amor não é?

O Homem Terra disse...

E obrigado, gostei muito.

Mayra disse...

Estavas à espera?! Pois eis me aqui.


"o amor está longe, podes esperá-lo
não o esperes mais e ei-lo aí

à tua volta, rápido rápido
ele vem, vai-se e depois volta"

A Aurora sabe mesmo das coisas.