domingo, 16 de novembro de 2008

Poema IX

Não fumes.
Vinga antes sobre mim esse desejo
de um prazer que te mate
pouco a pouco.

Guarda esse fôlego.
Se vais morrer nos meus braços
deixa-me ser eu a matar-te
ensinando-te uma nova maneira de respirar.

Une-te a mim para sempre.
Eu sei que assusta porque só a morte é eterna
mas se te casares comigo um bocadinho todos os dias
prometo que morreremos juntos sem darmos conta.

4 comentários:

Joana dos Espíritos disse...

Se me dissessem isso eu deixava de fumar o pouco que fumo.

O Homem Terra disse...

Não fumes.

:)

O Homem Terra disse...

Vive poéticamente.

(tu vives)

Joana dos Espíritos disse...

Vivo, vivo.