segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Sobre ter

(ver post anterior)

Apesar de tudo aquilo de que é feito, não há nada no mundo mais fascinante que as crianças e as mulheres. Os rapazes também, mas de maneira diferente. Para algumas pessoas, as coisas fascinantes são carros, para outros as drogas, para outros a comida, ou a roupa, ou o futebol, ou o dinheiro, o luxo, os bens materiais. Ou o Surf. Têm todo o direito. Mas para mim são as mulheres e as crianças. É refrescante e entusiasma-me e deixa-me sem ar só estar escrever isto. Mulheres. E crianças. Era capaz de ter overdoses de mulheres e crianças e de tudo o que se pode fazer com elas até ao fim da vida sem parar.

A Arte também me faz falta, lembro-me agora. Mas amar a Arte, amar as mulheres, amar as crianças - é tudo amar a mesma coisa - a humanidade e a vida.

Amar é o verdadeiro ato religioso. Amar o divino. O mundo é o divino.

4 comentários:

tomas disse...

o calor humano

mulheres e crianças

são o calor que sentimos

o calor humano

Jo� disse...

cuidado com essa coisa de overdoses com o que se pode fazer com mulheres e crianças. desculpa lá, piada pobrezinha e contra a corrente boa onda do teu blogue. abraço

Mamá disse...

É divino sim! E você é meu irmão de fé nisso!

(tome os homens no lugar das mulheres no meu caso!)

O Homem Terra disse...

Mas é um orgulho imenso ter-te como irmã!

Tu sabes! Não sabes?

Beijo